Métodos de rastreamento e diagnóstico do adenocarcinoma de endométrio (revisão) - JS Afonso

<<<Retorno para home page (português).


Este link foi atualizado pela última vez em 01 de outubro de 2000 e revisado em 20 de julho de 2005.


Este artigo deverá ser citado:

Afonso JS. Métodos de rastreamento e diagnóstico do adenocarcinoma de endométrio (revisão). In: http://www.histeroscopia.med.br/. Acesso em:

Palavras-chave: histeroscopia, adenocarcinoma, endométrio.

 

e-mail

José Sebastião Afonso


O adenocarcinoma tem como pico de incidência a sexta e a sétima década, sendo pouco comum antes dos 40 anos de idade. A maioria é diagnosticada somente depois de ocorrer um sangramento anormal.

Citologia cérvico-vaginal (pap-test)

Sensibilidade em torno de 30 a 50%, aumentando nos casos de G2, G3 e estádios invasivos.

Citologia endometrial

Sensibilidade em torno de 80 a 85%.  Há dificuldade na interpretação patológica de material composto de massas isoladas de células endometriais. A coleta pode ser realizada por lavagem, aspiração e escova.

Indicações (IVERSEN e SEGADAL): Pacientes assintomáticas acima de 45 anos
1) Alto risco
Terapia estrogênica isolada.
2) Risco moderado
Hipertensão, obesidade, diabetes mellitus, condições hiperestrogênicas.
3) Baixo risco.
Screening de massa (é um método barato onde se aproveita a estrutura de coleta da citologia cérvico-vaginal).

Teste da progesterona

"O teste da progesterona pode ser utilizado como rastreamento populacional para detecção de lesões precursoras e carcinomatosas do endométrio. O teste, quando é negativo, apresenta alta acurácia. Entretanto, os resultados falso-positivos podem ser da ordem de 56%" (Bortoletto, 1994).

Ultra-sonografia

É um método de rastreamento. Considera-se como espessura normal do eco endometrial na pós-menopausa, valores de até 4 mm sem reposição hormonal, e de até oito mm com reposição hormonal.  Avalia-se também a regularidade. Quando não se identifica o endométrio no maior eixo sagital, perpendicular ao maior eixo do transdutor, ou se a interface por qualquer motivo esteja distorcida, não se pode ter nenhuma avaliação.

Biopsia de endométrio

Com a cureta de aspiração (Novak ou Randall) apresenta uma sensibilidade em torno de 85 a 95%. Oferece um bom material para o diagnóstico histológico. A acurácia das técnicas de biopsia ambulatorial é virtualmente idêntica à da curetagem cirúrgica, quando se tem o cuidado de tirar amostras de todas as porções da cavidade uterina. Possui limitação com as pacientes não colaboradoras, obesas e com estenose cervical.

Curetagem uterina fracionada

Sensibilidade em torno de 90%, no envolvimento cervical uma taxa falso-positiva em torno de 47%.

Histeroscopia diagnóstica

Sensibilidade em torno 90% e especificidade em torno de 84%. Como método isolado, apresenta dificuldade diagnóstica no câncer endometrial sem relação com a hiperplasia. Limitada na presença de sangramento e estádios avançados. A histeroscopia é um bom procedimento pré-operatório para avaliar o envolvimento cervical. Recomendada a associação com a biopsia dirigida ou direcionada (Novak).

Conclusões

A histeroscopia pode em alguns casos evitar um supra estadiamento clínico (I/II), e deste modo possibilitar uma cirurgia mais conservadora.

Na hiperplasia atípica e no adenocarcinoma a sensibilidade da histeroscopia, da biopsia endometrial ambulatorial e da dilatação & curetagem são semelhantes.

A biopsia dirigida está indicada nos casos de biopsia orientada ou dilatação & curetagem negativa em paciente com suspeita.  

A biopsia dirigida pode aumentar a acuracia das hiperplasias adenomatosas e carcinoma inicial.

As imagens histeroscópicas às vezes são de difícil interpretação ou mesmo enganosas (ex: adenocarcinomas sem relação com a hiperplasia).

Existe o risco de disseminação peritoneal ou intravascular de células tumorais, devido a alta pressão usada para distensão da cavidade uterina e o meio líquido. 

Todo método para ser considerado socialmente eficaz tem que levar em conta a possibilidade de acesso universal.

Programas de rastreamento, usando a citologia endometrial em mulheres assintomáticas acima de 45 anos, poderiam ser utilizados em larga escala nos serviços públicos de saúde, devido ao baixo custo financeiro.

Nenhum método é 100%, como também existe a falha humana de quem os realiza. Conclui-se que a associação de diferentes métodos é a conduta mais adequada.

Sampling endometrial tissue

"To determine if endometrial hyperplasia or endometrial cancer is present, some of the endometrial tissue must be removed and examined under the microscope. Endometrial tissue can be sampled by endometrial biopsy or by dilation and curettage (D&C) with or without a hysteroscopy."

American Cancer Society

REFERÊNCIAS

AVIRAM R., MICHAELI G., LEW S., FISHMAN A., BEYTH Y., BERNHEIM J., TEPPER R.. The value of sonohysterography combined with cytological analysis of the fluid retrieved from the endometrial cavity in predicting histological diagnosis. Ultrasound Obstet Gynecol; 14(1):58-63 1999; UI: 99390441 

BAKOUR S.H., DWARAKANATH L.S., KHAN K.S., NEWTON J.R., GUPTA J.K.. The diagnostic accuracy of  ultrasound scan in predicting endometrial hyperplasia and cancer in postmenopausal bleeding. Acta Obstet Gynecol Scand; 78(5):447-51 1999   UI: 99256825

BEN-YEHUDA O.M., KIM Y.B., LEUCHTER R.S.. Does hysteroscopy improve upon the sensitivity of dilatation  and curettage in the diagnosis of endometrial hyperplasia or carcinoma? Gynecol Oncol; 68(1):4-7 1998 UI: 98123053

BORTOLETTO, C.C.R. - Estudo clínico, morfológico e ultra-sonográfico do endométrio de mulheres na pós-menopausa, consoante o teste provocativo pelo progestogênio. São Paulo, 1994. [Master Degree Dissertation - Escola Paulista de Medicina]

COPELAND, Larry J..Tratado de Ginecologia. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan S.A., 1996.

GORDON, Alan G., LEWIS, B. Victor, DECHERNEY, Alan H.. Atlas Colorido de Endoscopia Ginecológica.  Rio de Janeiro: Livraria e Editora Revinter Ltda., 1997.

HAMOU, Jacques E.. Hysteroscopy and Microcolpohysteroscopy: Text and Atlas. Conn., USA: Appleton Lange, 1991 

LEVEQUE J., GOYAT F., DUGAST J., LOILLET L., GRALL J.Y., LE BARS S.. Value of peritoneal cytology after hysteroscopy in endometrial adenocarcinoma stage I. Contracept Fertil Sex;  6(12):865-8 1998   UI: 99121870

PAUL D. MANGANIELLO, M.D., LARA J. Burrows, M.D., BRADLEY J. Dain, Ph.D., and JORGE Gonzalez, M.D.. Vabra Aspirator and Pipelle Endometrial Suction Curette: A Comparison. J Reprod Med 1998;43:889#892

TIUFEKCHIEVA E., SLAVCHEV B., MAINKHARD K.. The diagnostic value of dilatation and curettage in endometrial carcinoma. Akush Ginekol (Sofiia); 37(2):33-6 1998   UI: 99076631 

TOKI T., OKA K., NAKAYAMA K., OGUCHI O., FUJII S.. A comparative study of pre-operative procedures to assess cervical invasion by endometrial carcinoma. Br J Obstet Gynaecol; 105(5):512-6 1998   UI: 8299190 

VAN Niekerk W.A., DUNTON C.J., RICHART R.M., HILGARTH M., KATO H., KAUFMAN R.H., MANGO L.J., NOZAWA S., ROBINOWITZ M.. Colposcopy, cervicography, speculoscopy and endoscopy. International Academy of Cytology Task Force summary. Diagnostic Cytology Towards the 21st Century:An International Expert Conference and Tutorial. Acta Cytol; 42(1):33-49 1998 UI: 8139917 

WORKMAN R.D., WONG D.S., PITTS W.C.. Embolic vascular seeding of endometrial adenocarcinoma, a complication of hysteroscopic endometrial biopsy.Gynecol Oncol; 72(2):261-4 1999  UI: 99146948